Thanks for your visit. Comments or contact: sissym.mascarenhas@hotmail.com

sábado, 10 de outubro de 2009

A outra é A culpa


Alguns filmes, que assisti recentemente, sobre a vida de antigas nobres europeias prenderam a minha atenção como aconteceu com A Outra[bb]. Fascinante história, regada de intrigas, romance e traição, sobre duas irmãs Anne (Natalie Portman) e Mary Bolena (Scarlett Johansson) que transformaram-se em rivais por causa da ambição da família que almejava o poder e as envolveram num jogo de amor com o rei da Inglaterra, Henry Tudor (Eric Bana).

Outro filme que aborda o tema de amor, luxúria, traição, baseado em fatos reais, é A Duquesa. Interessante porque Georgiana Spencer não era somente parente de Diana Spencer como também tiveram semelhanças em suas vidas. Elegantes, inteligentes, adoradas pelo povo e infelizes em seus casamentos.

A Outra... esse assunto ficou na minha cabeça sem saber como trazer para o papel. Eu sentia uma imensa vontade de escrever, mas não conseguia imaginar como e quando. Até que ouvi dois casos semelhantes de amigas, desfechos parecidos, e resolvi sentar para finalmente escrever.


A Outra na vida dela:

Em 1998 Mimi não imaginava que seu casamento levantaria tamanha ira de sua ex-sogra. Com o aval de seu marido, providenciou sozinha a pequena celebração do casamento civil, porém de bom gosto. Dois meses depois, a sua cunhada estava casando, um grande e bonito casamento. Entretanto, algumas bobagens no decorrer da festa foram estopim para que sua sogra aproveitasse para importuná-la diariamente. Uma das coisas que mais deixou a sogra irada foi que a nora tinha um bonito álbum de casamento e achava que da sua filha não era melhor. Francamente, a festa da cunhada foi lindíssima, ela transbordava alegria, além de maravilhosamente bem vestida. Pequenos detalhes só reparariam os mesquinhos.

Mimi não suportava mais tamanha perseguição e pediu, quase implorou, ao marido que solicitasse à mãe parar com aquilo. Sim, ele parou: deu uma tremenda surra na ... sua mulher. Não havia uma parte de seu corpo que não estivesse roxa! E seus cabelos?! Por pouco não ficou careca (e anos depois, seus cabelos foram crescendo, porém totalmente diferentes...).

Como aquilo pôde acontecer? O que fazer? Mal havia casado!!! QUE VERGONHA!!! Porém a primeira chantagem emocional aconteceu naquela época, e ela, tolinha, acreditou e PERDOOU!


Passaram quase 02 anos vividos em paz e ela engravidou, contudo, o relacionamento conjugal foi piorando cada vez mais...

Onde entra a outra nesta história?!

Após a separação de corpos, Mimi realmente sentia-se um tanto aliviada por "conhecer" a atual namorada do ex-marido. Pensou: "- que bom, é uma pessoa normal, boa mãe, então deverá tratar bem a minha filha..." Sabem quando colocamos a cabeça no travesseiro e imagens vão aparecendo como num filme ?!?! Pois é... foi o que aconteceu com Mimi.

Em 1998 o marido de Mimi começou a fazer viagens para os EUA, numa época que estava barato viajar, dólar = real tipo 1 x 1. Os pais dele perguntavam "- por que não leva Mimi com você?!" As respostas dele eram cheias de argumentos sofríveis que somente uma idiota como a esposa para acreditar. E, sempre que voltava de viagem, fazia uma estadia básica no Pró-Cardíaco só para deixar todos loucos, porque doente nunca esteve de fato!

Sabem quem viajava com ele?! A OUTRA.

E esta Outra estava sempre presente de alguma maneira... e Mimi, burrinha..., quando ele se fazia de vítima de assédio moral na empresa multinacional onde trabalhava, ela, burrinha x2, pedia a ele procurar A Outra para conversar e ver se ela podia ajudá-lo (porque ela tinha um cargo de confiança na empresa).

Outra ficha:

No mês seguinte da separação, Mimi a encontrou num salão de beleza na Barra da Tijuca. Contou que havia se separado, ainda tinha seus braços roxos, aproveitou para perguntar se havia percebido atitudes esquisitas dele e/ou se ele fez algo errado na empresa para ser mandado embora (porque não era filosofia da empresa mandar embora um "bom" funcionário com tantos anos de vínculo). Mimi havia achado esquisito, na ocasião, a alegria dela - tipo transbordante ... ela estava feliz demais, pouco se lixando para o que estava vendo. Situação estranha esta que só recentemente Mimi começou a fazer associações. Normalmente, todas as pessoas que até hoje ficam sabendo do que lhe aconteceu, nenhuma delas se mostrar "radiantes", entendem??!!


Ou seja, por causa dela, não somente por causa dela, mas não deixou de ser, Mimi apanhou covardemente, foi xingada humilhantemente e quase morreu...

Mimi perguntou recentemente a um amigo, psicólogo, por que ela era xingada de vadia e vagabunda, ele respondeu: "CULPA". Faz sentido.

Como se não bastasse tudo de ruim que ela viveu, todas oportunidades, possibilidades, realizações pessoais e profissionais que perdeu, ao invés dele deixá-la em paz, especialmente na qualidade de mãe, continuou tentando infernizá-la de todas as maneiras possíveis, porque, infelizmente ela continuou entre os vivos. Ele quer tirar tudo do nada que lhe restou, inclusive a única preciosidade: a filha.

A filha também só começou a entender o que vinha vendo acontecer perto dela, como, por exemplo, logo a separação encontrou um porta-retrato dentro do armário do pai, ele abraçado com uma mulher. Era A Outra. Bastante confuso e deprimente para alguém tão pequena.

A Outra nada mais é do que a real vadia e vagabunda, "qualidades" que desqualificaram por anos, diariamente, a verdadeira vítima de uma mente insana.

Há muitos casos semelhantes e até piores ... coitadas das primeiras mulheres... deveriam nascer para ser apenas as segundas na vida de homens como ele que julgam a vida descartável.

O tempo não pára, não pára...







Compartilhe esse artigo:

Related Posts with Thumbnails Related Posts with Thumbnails

10 comentários:

  1. Amiga, eu achei essa história chocante, mas sabemos como é normal acontecer dentro de vários lares.
    Bjss

    ResponderExcluir
  2. detestável mesmo em ser a OUTRA ou o OUTRO né?

    abçs

    ResponderExcluir
  3. Grande Sissym, a sua narrativa reflete caso cotidianos por este mundo afora, alguns mais intrigantes e mais dramaticos e outros não, mas, no fundo reflete a falta de sinceridade entres os pares, na maioria das vezes do homem, que as por vezes ultrapassa o bom senso e se torna algo perigoso tanto psicologicamente quanto fisico.

    ResponderExcluir
  4. Olá Sissym,

    Esta história da Outra (especialmente a história de Ana Bolena) é fascinante, talvez uma das que mais me chama atenção na história da Inglaterra, a "outra" (história) é a de Ricardo III.

    Já vi duas histórias (filmes) envolvendo a filha de Ana Bolena:

    Elizabeth e Elizabeth, a época de ouro.

    São excelentes...

    Tenha um bom domingo e depois gostaria falar contigo.

    Abraço

    Geraldo

    ResponderExcluir
  5. My dear, It never makes any sense to me how someone can be abusive to the ones they love. Most of us know someone who has endured a living hell(a victim of an insane mind). Time doesn't stop but maybe we can stop some of the pain through awareness. Another good movie on this subject is "Sleeping With the Enemy".... Big Hug, Craig

    ResponderExcluir
  6. Infelizmente esta cena acontece em muitos lares, tenho uma amiga que me disse que é melhor ser a outra, pois tinha de tudo: amor, carinho, atenção, viagens... Eu fiquei horrorizada e falei como uma pessoa não tem sentimento algum por destruir um lar e ela falou que não sentia remorso algum, eu fiquei pasma, pensei que a conhecia, pois ela vem de uma família que as pessoas dizem tradicionais.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. História pesada .

    Incrivel é como se permitem viver tais situações. Provavelmente por que elas se instalam muito lentamente .

    beijos

    ResponderExcluir
  8. Amigos,agradeço as visitas.

    Craig on the film, I watched, but not everyone has a happy ending like hers. She lived in terror for a long time. There is another even better: Double Jeopardy.
    Thanks!

    ResponderExcluir
  9. Ola, Sissym!!!
    Adorei este filme, ele te prende na cadeira do início ao fim.
    Realmente, as traições não acontecem só na ficção e várias pessoas se tornam sofredoras por causa disso. Sei da história real de uma moça que ela dizia que preferia ser a outra por tinha tudo o que ela queria.
    Enfim, cada um com a sua sina.
    Abraços,
    Rose

    ResponderExcluir
  10. poxa, que história triste.
    felizmente as coisas estão mudando,pena que a parte principal(mulheres)ainda nao tenha se envolvido completamente!

    ResponderExcluir

Recados: sissym.mascarenhas@hotmail.com
Obrigada